TJ-RJ não reconhece união estável de Adriana e ganhador da Mega-Sena
Decisão é da comarca de Rio Bonito e foi publicada nesta segunda (13).
Adriana Almeida teria mandado matar ganhador da Mega-Sena, em 2007.
Tássia Thum Do G1 RJ
A Justiça do Rio julgou improcedente o pedido de reconhecimento de união estável entre Adriana Almeida e Renné Senna, o ex-lavrador e ganhador da Mega-Sena, morto em 2007, em Rio Bonito, na Baixada Litorânea do Rio. Ainda cabe recurso à decisão, informou o TJ-RJ.

Ela é acusada de mandar matar o companheiro para ficar com a herança avaliada em mais de R$ 50 milhões. A decisão é da comarca de Rio Bonito e foi publicada nesta segunda-feira (13). A íntegra da sentença não foi divulgada pelo TJ-RJ porque o caso corre sob segredo de justiça.

Desde a morte de Renné, Adriana trava uma batalha judicial com Renata Senna, a única filha do milionário, para ficar com os bens deixados pelo ex-lavrador. O pedido de reconhecimento de união estável havia sido feito pela própria acusada.
Em fevereiro, o advogado da filha da vítima entrou com um processo de indignidade para que Adriana perca o direito sobre a herança. A ação ainda tramita na Justiça.

saiba mais
Delegado diz que morte de milionário está esclarecida
Filha de milionário da Mega-Sena planejava assumir o patrimônio do pai
Viúva da Mega-Sena sai da cadeia, diz estado
Viúva da Mega-Sena e enteada brigam por herança na Justiça
Viúva da Mega-Sena consegue direito de pedir na Justiça teste de DNA da enteada

Falsidade ideológica
Ainda em fevereiro, Adriana depôs em um outro processo, em que responde por suposta falsidade ideológica. Neste processo, ela é acusada de omitir sua relação com Renné na compra de uma cobertura em Arraial do Cabo, na Região dos Lagos. Na audiência, ela disse que ganhou o apartamento de presente dele.
O caso teve início em 2007, quando Adriana comprou a cobertura, quatro dias antes do assassinato do milionário. No processo criminal, testemunhas afirmam que a descoberta da transação foi um dos motivos de uma briga do casal, que chegou a fazê-la sair de casa.

Na época do assassinato, o delegado Ademir Oliveira, da 119ª DP (Rio Bonito) disse que a cobertura custou R$ 300 mil e foi paga com três cheques de R$ 100 mil, de uma conta conjunta de Adriana e Renné. Segundo Oliveira, a divisão seria para não alertar a gerência do banco, que poderia requisitar a concordância de ambos titulares da conta para o desembolso.

Como foi o crime da Mega-Sena
Renné Senna, ex-trabalhador rural, ganhou R$ 52 milhões em um sorteio da Mega-Sena em 2005. De acordo com as investigações, Adriana Almeida, viúva do milionário, seria a mandante do assassinato e teria contratado ex-seguranças para matar o marido. Renné foi assassinado a tiros em 7 de janeiro de 2007 na porta de um bar em Rio Bonito. Adriana chegou a ser presa, mas está em liberdade após conseguir um habeas corpus.

Anúncios

Sobre César.

Liberdade é o direito de fazer tudo o que a lei permite. Montesquieu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s