Fonologia – Estudando os sons que formam as palavras
1.1 – Introdução
A palavra Fonologia tem origem nos radicais gregos fono (som) e logia (estudo), e trata do estudo dos diversos sons de uma determinada língua.

É justamente através da combinação de cada um desses sons, chamadosfonemas, que são criadas todas as palavras usadas na nossa língua.

Cada palavra, portanto, é formada por um conjunto de vários fonemas. A simples troca de um dos fonemas de uma palavra irá transformá-la em outra, de significado completamente diferente. Isso ocorre, por exemplo, com as palavras camelo ecabelo. Assim, com poucos fonemas, é possível criar milhares de palavras.
1.2 – Fonemas x Letras
Na linguagem escrita, os fonemas são representados por sinais gráficos, aos quais chamamos de letras. Entretanto, não há uma correspondência simples entre letras e fonemas.

Há casos em que a mesma letra representa fonemas (sons) diferentes, como é o caso da letra c emcegonha e cabelo. Há outros casos em que letras diferentes representam o mesmo fonema, como ocorrem com as letras s e c que representam o mesmo som em sala e cenoura.
1.3 – Exercício:
Analise as palavras abaixo e descubra quantas letras e fonemas existem em cada uma delas:
hélice
anexo
coelho
acesso

Confira as respostas:
hélice – 6 letras – 5 fonemas (h – não representa nenhum fonema)
anexo – 5 letras – 6 fonemas (x – representa 2 fonemas: ks)
coelho – 6 letras – 5 fonemas (lh – representa 1 fonema)
acesso – 6 letras – 5 fonemas (ss – representa 1 fonema)
1.4 – Sílabas
Quando um ou mais fonemas são pronunciados numa mesma emissão de voz, dizemos que formam uma sílaba.

Os fonemas que formam as sílabas das palavras da língua portuguesa são classificados em vogais,semivogais e consoantes.
1.5 – Vogais
As vogais são os únicos fonemas do alfabeto que podem ser pronunciados sozinhos, sem o auxílio de outro fonema.

As vogais sempre desempenham o papel de núcleo das sílabas. Em termos práticos, isso significa que em toda sílaba há necessariamente uma única vogal.

Na escrita, as vogais são representadas pelas letras a, e, i, o, u e, com o Novo Acordo Ortográfico, também o y, que foi reintroduzido em nosso alfabeto e se comporta da mesma forma que a letra i, e o w, que, dependendo da língua original do vocábulo, pode ser consoante (quando pronunciado com som de V) ou vogal (quando pronunciado com som de U).

1.6 – Semivogais
As semivogais podem ser representadas pelas letras “e”, “i”, “o”, “u”, sendo que as letras “e” e “o”, quando semivogais, apresentam som de “i” e “u”. Lembramos que, com o Novo Acordo Ortográfico, também o y e o w, que foram reintroduzidos em nosso alfabeto, poderão fazer o papel de semivogal, já que se comportam da mesma forma que as letras “i” e “u” respectivamente (lembramos que se o w for pronunciado como v, será consoante).

As semivogais sempre acompanham alguma vogal, com a qual formam uma sílaba. Portanto, nunca haverá uma sílaba com apenas uma semivogal. Desta forma, as semivogais nunca farão o papel de núcleo da sílaba, que é sempre desempenhado por uma vogal.
1.7 – Como diferenciar as Vogais das Semivogais
Como as letras que representam as semivogais são as mesmas que representam as vogais, pode haver certa dificuldade para diferenciá-las, mas para isso basta atentar para o seguinte:

Se na sílaba só há uma letra que representa vogal (a,e, i, o, u, w, y), esta é necessariamente uma vogal, pois as semivogais não aparecem sozinhas na sílaba, mas apenas acompanhadas por uma vogal.
1.7 – Como diferenciar as Vogais das Semivogais
Outra dica simples é observar se na mesma sílaba houver uma letra “a” e outra letra que representa semivogal, pois dessa forma, esta outra será semivogal, pois o “a” sempre será vogal.

As vogais sempre possuem som mais forte em relação às semivogais. Assim, se na mesma sílaba houver duas ou três letras que representam semivogais (e, i, o, u, w, y), a vogal será sempre a que tiver som de “e” ou “o” (som mais forte), enquanto as semivogais serão as que tem som de “i” ou “u” (som mais fraco).

Caso haja uma sequência de letras que representam vogais e os sons de “i” e “u” sejam tão fortes como os outros sons (“a”, “e”, “o”), estas letras não estarão na mesma sílaba e formarão um hiato, como veremos mais tarde.
1.8 – Exercícios
Verifique se as letras sublinhadas são vogais ou semivogais:

Fios
Portais
Vaca
Averiguei
Voltou
Campeões
Água

Confira: 
Fios – o: vogal (i também é vogal – i-o: hiato)
Portais – i: semivogal (a é vogal – ai: ditongo decrescente)
Vaca – a: vogal (a sempre é vogal)
Averiguei – e: vogal (u e i são semivogais – uei: tritongo)
Voltou – u: semivogal (o é vogal – ou: ditongo decrescente)
Campeões – o: vogal (e é semivogal – õe: ditongo decrescente)
Água – u: semivogal (a é vogal – ua: ditongo crescente)
1.9 – Encontros Vocálicos
Os encontros vocálicos são agrupamentos de vogais e semivogais, sem consoantes intermediárias.

É importante reconhecê-los para fazermos a correta divisão silábica dos vocábulos.

Existem 3 tipos de encontros vocálicos: ditongos,tritongos e hiatos.
Ditongo é o encontro de uma vogal com uma semivogal ou de uma semivogal com uma vogal. Em ambos os casos, vogal e semivogal pertencem a uma mesma sílaba.

Os ditongos podem ser classificados de duas formas:
Quanto à posição da Vogal e Semivogal:crescentes ou decrescentes; 
Quanto à Pronúncia: orais ou nasais.
Ditongos crescentes: ditongos em que a semivogal vem antes da vogal.

Exemplos: água, qual, mágoa, glória, mandioca, pátria, sério.

Ditongos decrescentes: ditongos em que a vogal vem antes da semivogal.

Exemplos: moita, cai, mói, mãe, céu, caule.

Ditongos orais: ditongos que podem ter pronúncia fechada.
Exemplos: meu, doido

… ou aberta.
Exemplos: ideia, rói

Ditongos nasais: ditongos com som nasalizado e pronúncia fechada. Podem ser representados por vogal e semivogal ou pelas vogais A e E seguidas de M no final da palavra.
Exemplos: mãe, pão, falam (fálãu), batem (bátêi), alguém (alguêi)

Tritongo é a sequência formada por uma semivogal, uma vogal e uma semivogal, sempre nesta ordem. O tritongo pertence a uma única sílaba:
Exemplos: Pa-ra-guai, quão

Podem ser, de acordo com a natureza da vogal, orais…
Exemplos: Uruguai, averiguei, redarguiu, enxaguou

Ou nasais…
Exemplos: saguão, enxáguam, enxáguem, saguões

Hiato é o encontro de duas vogais numa mesma palavra.
Como em uma sílaba só pode haver uma única vogal, os hiatos são sempre separados na separação silábica.
Exemplos: sa-í-da, mo-o, ru-im, pa-ís, ci-ú-me.
1.10 – Consoantes
Os outros fonemas denominam-se consoantes, e apenas são pronunciados quando combinados com alguma vogal.

O termo consoante também é usado para classificar as letras do alfabeto, por causa dos sons que elas representam.

No alfabeto português são chamadas de consoantes: B, C, D, F, G, H, J, K, L, M, N, P, Q, R, S, T, V, X, Z. Dependendo da língua original do vocábulo, o W pode ser consoante (quando pronunciado com som de V) ou vogal (quando pronunciado com som de U).
1.11 – Encontros Consonantais
Ocorre encontro consonantal quando há, em uma palavra, uma sequência de fonemas consonantais, sem nenhuma vogal intermediária.

Os encontros consonantais são Perfeitos quando aparecem numa mesma sílaba, normalmente quando uma consoante é seguida por “r” ou “l” ou em grupos consonantais que aparecem no ínicio de palavras.
Exemplos: pra-to, fla-tu-lên-cia, bro-to, fro-ta, pneu-má-ti-co, gno-mo, psi-co-lo-gia

São chamados Imperfeitos quando aparecem em sílabas diferentes.
Exemplos: cor-ja, ad-vo-ga-do, ab-du-zir, sub-so-lo, rit-mo, al-ge-mar, cos-tas
Alguns encontros consonantais merecem especial cuidado porque, na pronúncia despreocupada, tendem a constituir duas sílabas pela intercalação de uma vogal.

Exemplos desses enganos:
adivogado e adevogado ao invés de advogado;
abissoluto ao invés de absoluto;
adimirar ao invés de admirar;
áfita ao invés de afta;
rítimo ao invés de ritmo;
pineu e peneu ao invés de pneu;
indíguino ao invés de indigno;
Mas atenção: o desejo de corrigir o engano anterior leva, muitas vezes, a omissão de vogal de certos vocábulos.

Exemplos desses enganos:
advinhar ao invés de adivinhar;
subtender ao invés de subentender;
1.12 – Dígrafos
Dígrafo, do grego di (dois) e grafo (escrever), também conhecido por digrama (di – dois e gramma – letra), ocorre quando duas letras representam um único fonema.

Apesar de alguns dígrafos serem compostos por duas consoantes, eles não formam um encontro consonantal, pois representam um só fonema.

Podemos dividir os dígrafos da língua portuguesa em dois grupos: os dígrafosconsonantais (que representam consoantes) e os dígrafos vocálicos (que representam vogais nasais).
Dígrafos Consonantais Inseparáveis
(pertencem à mesma sílaba)

CH – cachorro, chuva, China, cheio;
LH – pilha, galho, velho, malha;
NH – banha, ganhar, vinho, sonho;
GU – guerra, seguinte, águia, guitarra;
QU – leque, quebra, aquilo, questão.
Dígrafos Consonantais Separáveis
(por convenção, se separam na divisão silábica)

RR – bairro, erro, burro, carro;
SS – asseio, passo, assunto, pássaro;
SC – descer, piscina, ascensão, descendente;
SÇ – desça, cresço, nasço, nasça;
XC – excitado, exceção, exceder, exceto;
XS – exsuar e exsudar (sinônimos de transpirar);
Em palavras em que as letras GU, QU, SC e XC se pronunciam, não há dígrafo, como nos exemplos abaixo:
GU – aguentar, linguiça, água, agudo;
QU – cinquenta, frequente, aquarela, aquoso;
SC – escada, escalada, fusca, escama;
XC – exclamar, exclusivo, excluir;

Obs. 1: As letras GU e QU só serão dígrafos quando, seguidas por E ou I, o U não for pronunciado. 
Obs. 2: Com o Novo Acordo Ortográfico, o trema não será mais usado sobre o Upara indicar que é pronunciado nos grupos GU e QU seguidos por E ou I.
Dígrafos Vocálicos (que representam vogais nasais)
AM – tampa, rampa, bamba, campo;
AN – santa, janta, sangue, mangue;
EM – tempo, sempre, lembro, templo;
EN – venda, tento, sente, vento;
IM – limpo, limbo, ímpeto, imparcial;
IN – tingir, linda, finta, ginga;
OM – ombro, rombo, computador, comprometido;
ON – sonda, ronda, tonto, fronte;
UM – jejum, nenhum, tumba, cumprir;
UN – mundo, fundo, nunca, sunga;
Lembre-se: 

Como já foi dito anteriormente, quando o AM e EMaparecem no final de uma palavra, não são dígrafos, e sim ditongos nasais.

Exemplos: falam (fálãu), batem (bátêi), alguém (alguêi)

PERGUNTAS:
Avalie a afirmativa abaixo:

As vogais só podem ser pronunciadas com o auxílio de algum fonema.

De acordo com o tópico estudado, a afirmativa acima é:
Verdadeira
Falsa
Afirmativa:

As vogais só podem ser pronunciadas com o auxílio de algum fonema.

Parabéns, você acertou!

A afirmativa é falsa, pois o que acontece é justamente o contrário. As vogais são os únicos fonemas do alfabeto que podem ser pronunciados sozinhos, sem o auxílio de outro fonema.
As vogais sempre desempenham o papel de núcleo das sílabas.
Em termos práticos, isso significa que em toda sílaba há necessariamente uma única vogal.
Na escrita, as vogais são representadas pelas letras a, e, i, o, u.

Avalie a afirmativa abaixo:

As palavras água, mágoa, pátria e sério são compostas por ditongos decrescentes.

De acordo com o tópico estudado, a afirmativa acima é:
Verdadeira
Falsa
Afirmativa:

As palavras água, mágoa, pátria e sério são compostas por ditongos decrescentes.

Parabéns, você acertou!

A afirmativa é falsa, já que as palavras água, mágoa, pátria e sério são compostas por ditongos crescentes, ou seja, ditongos em que a semivogal (som mais fraco) é seguida pela vogal (som mais forte).

Avalie a afirmativa abaixo:

O tritongo pertence a uma única sílaba e é o encontro de uma semivogal, uma vogal e uma semivogal.

De acordo com o tópico estudado, a afirmativa acima é:
Verdadeira
Falsa
Afirmativa:

O tritongo pertence a uma única sílaba e é o encontro de uma semivogal, uma vogal e uma semivogal.

Parabéns, você acertou!

O tritongo é exatamente isso: o encontro de uma semivogal, uma vogal e outra semivogal, todas na mesma sílaba. Um exemplo de tritongo pode ser observado na palavra Pa-ra-guai.

Avalie a afirmativa abaixo:

O nome que se dá quando duas letras representam um único fonema é dígrafo.

De acordo com o tópico estudado, a afirmativa acima é:
Verdadeira
Falsa
Afirmativa:

O nome que se dá quando duas letras representam um único fonema é dígrafo.

Parabéns, você acertou!

Exato. Dígrafo, do grego di (dois) e grafo (escrever), também conhecido por digrama (di – dois e gramma – letra), ocorre quando duas letras representam um único fonema.
Podemos observar exemplos de dígrafos nas palavras: caRRo, maSSa, coeLHo, niNHo, eXCeção, creSCer, mENte, sANta etc.

Avalie a afirmativa abaixo:

Nas palavras galho, vinho, águia e questão, ocorrem dígrafos consonantais inseparáveis.

De acordo com o tópico estudado, a afirmativa acima é:
Verdadeira
Falsa
Afirmativa:

Nas palavras galho, vinho, águia e questão, ocorrem dígrafos consonantais inseparáveis.

Parabéns, você acertou!

Correto. Dígrafos consonantais são aqueles que representam consoantes. Esses dígrafos são inseparáveis quando pertecem à uma mesma sílaba. Veja os dígrafos consonantais inseparáveis existentes nas palavras citadas: 
Galho: LH 
Vinho: NH 
Água: GU 
Questão: QU 

Avalie a afirmativa abaixo:

Os elementos que compõe um tritongo são respectivamente: vogal+semivogal+vogal.

De acordo com o tópico estudado, a afirmativa acima é:
Verdadeira
Falsa
Afirmativa:

Os elementos que compõe um tritongo são respectivamente: vogal+semivogal+vogal.

Parabéns, você acertou!

A afirmativa não está correta, já que tritongo é o encontro de três sons vocálicos na mesma sílaba, nesta ordem: semivogal+vogal+semivogal.

Antonio César Portela
cesinha.27a@hotmail.com

Anúncios

Sobre César.

Liberdade é o direito de fazer tudo o que a lei permite. Montesquieu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s